Julho-Agosto de 2020

A Mística do cotidiano como experiência autêntica do Deus da Vida

Editorial

“Pra toda parte que eu óio, vejo um verso se bulí.” O verso aqui é do poeta Patativa do Assaré, declamando o sertão. Uma expressão aparentemente simples revela um olhar sensível, capaz de adentrar o profundo, a complexidade e o contraditório da vida. Um olhar fino, porque contém o que há de mais fino no mundo: o sentimento. Ver um verso se bulindo em toda parte é ter nos olhos a esperança, é fazer valer o brilho do olhar, e dessa luminosidade adentrar o fenômeno: a flor que desabrocha, a formiguinha, o pássaro, a criança que sorri, o andar trôpego do idoso, o crepúsculo. A sensibilidade poética faz a existência toda valer a pena com tão somente o soprar do vento, a nuvem que se desfia nos céus, o luar ou o ladrar do discreto vira-lata. O bulício aponta para a vida que está em movimento. Nesse movimento, a vida pulsa naquilo que parece óbvio e para além dele. A vida simples, em sua cotidianidade, também marcada pelo conflito, pode estar arraigada de poesia.

Artigos Ver todos

A mística do comunicador

Pe. André Luiz Boccato de Almeida, Francisco Galvão*

Introdução Vivemos em uma sociedade cada vez mais midiatizada e interconectada, onde “todos” escrevem, publicam, fotografam e, com apenas um clique, compartilham suas ideias e experiências com centenas de amigos nas redes sociais. Diante do excesso de informações, nunca visto na história da humanidade, é importante refletir sobre os...

A mística sacerdotal

Pe. Douglas Alves Fontes

Uma palavra introdutória Vamos abordar primeiramente a questão da mística sacerdotal em si, a noção de mística, aplicando-a à vivência do ministério sacerdotal. Tendo em vista a importância da relação entre profecia e mística, apresentaremos em seguida a dimensão profética da mística sacerdotal, defendendo a ideia de que não...

O ministério sacerdotal para uma Igreja em saída

Dom Edson Oriolo

Introdução Desde sua primeira aparição como papa, na praça de São Pedro, Bergoglio tem demonstrado simplicidade: sua maneira de interromper o percurso em procissões ou descer do presbitério, nas cerimônias, para beijar e acariciar enfermos e crianças; as manifestações de afeto, com sorriso espontâneo e constante na face; seu...

Riobaldo e o roteiro de Deus Grande Sertão: Veredas

Faustino Teixeira

Introdução Tratamos da obra de Guimarães Rosa (1908-1967) Grande sertão: veredas (GSV), uma das mais importantes realizações da literatura brasileira no século XX, com destaque essencial na literatura mundial. Ela foi recentemente reeditada no Brasil pela Companhia das Letras, em sua 22ª edição (ROSA, 2019). Em âmbito internacional, o...

Roteiros homiléticos Ver todos

15º DOMINGO DO TEMPO COMUM

12 de julho

A Palavra do Senhor gera frutos abundantes

I. Introdução geral Na liturgia do domingo anterior, as leituras chamavam nossa atenção para a necessidade de reconhecimento e acolhimento do Messias rei, justo e humilde. Em todas as leituras, ficava patente a incapacidade de alguns de reconhecer a visita de Deus ao seu povo na pessoa de Jesus...

14º DOMINGO DO TEMPO COMUM

5 de julho

A acolhida do rei justo e humilde

I. Introdução geral No 13º domingo do Tempo Comum, anterior a este, a liturgia aborda a questão da acolhida dos enviados de Deus. No Evangelho daquele domingo, Jesus diz que “quem recebe um profeta, recebe a recompensa de profeta, e quem recebe um justo, recebe a recompensa de justo”...

São Pedro e São Paulo

28 de junho

Testemunhas do evangelho, guardiões da fé

I. Introdução geral O coração desta liturgia é a memória dos apóstolos Pedro e Paulo, as duas testemunhas mais marcantes do cristianismo das origens, cujos legados se estendem pelos séculos afora. Um pescador galileu transformado em pescador de seres humanos; um fariseu fanático e perseguidor de cristãos que se...

12º Domingo do Tempo Comum

21 de junho

A perseguição como consequência da fidelidade

I. Introdução geral O tema central desta liturgia é a perseguição, como consequência da fidelidade aos propósitos de Deus. Isso está muito claro na primeira leitura e no evangelho. Na primeira leitura, em forma de desabafo, Jeremias confessa o seu drama de profeta perseguido e, ao mesmo tempo, renova...